Páginas

12.6.17

Mesclado

Como barriga seca não dá sono
Lembrei do sabor do iogurte
Do sorvete mesclado

Pensei nos alunos da escola pública
Café preto e pão seco
Qual o sabor do iogurte para o cego paladar?

Como será imaginar o sabor de morango
Mesclado com iogurte batido?

Qual o sabor do vazio?
Café preto e pão seco
Que sabor tem?

Café com pão
Café com pão
Café com pão
Preto, pobre, seco

Qual o sabor da desigualdade?

Pobre café preto seco
Rico morango batido
Sabor: desigualdade mesclada

5.6.17

Confabular (ou um manifesto Parahyba)

Em tempos em que revoluções
Se transformam em festas corriqueiras
Nossa busca pela formação
Em terra de mar de beiras
São armas de luta

Só nos resta confabular
Ir além mar
Conquistar os mundos
Pedir a cabeça de tantos imundos

Vamos confabular em todos os tempos
E espaços
Não vamos deixar nosso Centro morrer
Pois seremos o centro do nosso universo
Sem medo das balas nos nossos peitos de aço

Eu tu ele
Nós vós eles
Vamos confabular
Derrubar o ressurgimento do abacateiro
Não acataremos outros atos

Eu tu ele
Nós vós eles
Vamos confabular
Junho é uma criança
Que vai derrubar reis

4.5.17

Babel


Minha cidade é uma Babel
Políticos e cidadãos não se entendem
Escrevem leis que só ficam no papel

Minha cidade é uma Babel
Professores e alunos não se entendem
Parecem crianças no carrossel

Minha cidade é feita de Torres
Toletes empilhados como códigos
Em todo canto fedentina e odores

Cães, gatos, cavalos
Deixam suas marcas e seus sinais
Falam a mesma língua silenciosa

Cães, gatos, cavalos
Riscam o chão, em sinal de rebeldia
E enquanto homens, mulheres, crianças
Não se entendem
Esses seres inanimados constroem suas torres todos os dias

20.4.17

Vasto Mundo

Meu pai com Alzheimer
No alento da sua lucidez
Ao ver as cenas bélicas na TV:

Meu filho, ao longo dos meus 78 anos
Não houve um dia em que o mundo
não estivesse em guerra

Que o digam pai
As crianças em carne viva
Bombardeadas
Queimadas com armas químicas
O menino refugiado afogado
As cenas tristes em preto e branco
A Rosa de Hiroshima

O mundo esquálido
Sem rima
O mundo beligerante de Bush Bush Bush
E seus fanáticos sucessores
Bombas incendiando caveiras
Bush Bush Bush
Bombas promovendo coveiros
Bush Bush Bush
Não há saídas de emergência
Apenas bombas
Bush Bush Bush Bush

Entre os escombros
À direita
Urnas conservadoras
Explicações rarefeitas
Silogismos carentes de causa-efeito

Nas cabeças ocas
Pululam soluções rápidas
Bush Bush Bush
E assim se esvai a humanidade...

5.4.17

Vida Líquida

Para Baumann

A informação está muito diluída
(intervalos são mais ricos que o noticiário)

O leite está muito diluído
(coloquem água, já diziam os milicos de outrora)

A vida está muito diluída
Escorre fluída
facilmente pelo ralo

30.1.17

Tropicana

Hotel Tropicana

Aqui almocei com meus avós, pais, irmã, tios e primos na década de 1980.

Por ironia do destino, 30 anos depois, adentrei no antigo hotel Tropicana já como Ocupação do Tijolonho Vermelho.

 Convivi com algumas famílias, brinquei com as crianças, formamos até uma turma de alfabetização de Jovens e Adultos.

Vi cenas impactantes na época das chuvas. O cheiro da falta de condições sanitárias vai ficar comigo para o resto da vida. Assim como a luta de um povo por direitos básicos.

 O Tijolinho Vermelho foi a maior lição que já tive na vida, a maior escola e o maior aprendizado.

Nunca vou esquecer das crianças brincando com meu filho, do cuidado e do carinho que alguns tinham com o "galeguinho".

Espero que meu filho também nunca esqueça essa experiência de vida e nunca naturalize tamanho descaso com o povo.

Tijolinho Vermelho / Hotel Tropicana

Nesta cadeira aparentemente vazia
Muitas pessoas escreveram sua história
Elas nunca esperaram um milagre

Cansadas de ficar sentadas
Foram à luta
Sofreram com as chuvas
Sofreram sem uma ducha quente
Sem condições sanitárias

Esta cadeira vazia
Conta muitas histórias
De muitos meninos
e meninas
Que brincavam no Ponto Cem Réis
No Pavilhão do Chá
Na Praça dos Três Poderes

Podres Poderes
Que não querem dar dignidade às pessoas
famintas

Poderes de vestes sujas
Que nunca precisaram jogar suas fezes
Do alto do Hotel Tropicana
Pela simples falta de um vaso sanitário

Podres Poderes
Jogam suas excrementos na cara do povo

Para além da soberba do Tribunal de Justiça
Do Palácio do Governo
Ou da Assembleia Legislativa
Homens e mulheres teimam em escrever sua história

Nesta cadeira sentaram iletrados
Mais dignos do que àqueles sentados nas cadeiras imundas da Praça dos Três Poderes