Páginas

31.1.18

dú(vidas)

Tenho medo de estar enquadrado
De ser um quadrado
imóvel

Tenho medo da geração comida rápida
De fazer parte da estatística dos que não lêem
Neste país sem livrarias

Tenho medo de Deus e dos meus pecados
E tenho apenas um sentimento esquálido

Deus me livre dessas regalias
Dos anéis de ouro e prata
Dos bordéis e dos casacos

Quero partir nu
Rumo ao infinito
Sem sombra e sem dú(vidas)

13.12.17

Sentimentos

Tenho uma calça com bolsos furados
E sentimentos vazados
Por todos os lados

3.11.17

Rumo à Estação Futuro

Agora conto o tempo através da tua história
Não uso mais relógio ou calendário
O tempo agora é o meu mistério

Vejo o tempo passar no meu redário
Não meço mais o futuro
Apenas fotos e o balançar das redes

Não conto quantos contos faltam
Pra acabar essa história
Apenas reviso e reconto
Cada imagem, cada paisagem

E assim os dias passam
Entre vielas e paragens
Assim torno o futuro incerto
Como certo deve ser esse destino

22.7.17

Porvir


Bebê 
Quase sete anos se passaram
Agora já sei qual pé chutas a bola

Admiro a espontaneidade do teu sorriso
E a fortaleza do teu caráter

Sei que ninguém te dará ordens aleatórias
Baterás o pé até conquistar o bom direito

Sei que posso contar contigo
Na luta contra o prefeito
Levantando faixas pela nomeação
No grito de ordem:
Fora Presidente

Já tens o hábito de  ocupar as ruas
Lutar por nossos direitos
Sabes que o presidente é um homem mau
Cercado de corruptos

Tuas perguntas políticas
Teu interesse pelos ocorridos
Revelam a dureza do cotidiano

Até a pelegagem do sindicato foi descortinada
Até o emprego que papai perdeu foi desvelado
Até a justiça desafinada foi revelada

Teu engajamento é inspiração
Nessa selva digital
Neste país que ainda está por vir

14.7.17

Sol


O sol nunca se vai
O sol nunca se esvai

O que há por trás do lado obscuro do Sol?

O que há por trás de nossas vidas obscuras?

O sol nunca se vai
E nossa vida passageira acasala
Tantos preconceitos
Tantos desabonos
Tantos mistérios na antesala

Eu trabalhador de sol a sol
Nunca vejo o poente
Sou um zero à direita
Nessa politica de tantos expoentes

O sol nunca se esvai
Nem a margem à esquerda
Enquanto houver sol...

Contradição

Renasço a cada dia
Apesar do ser morrinhento que mora dentro de mim

10.7.17

Revolto



Eu revolto
É proibido proibir
Domino as ondas
Num efeito dominó

Eu revolto
Subverto ordens
Encaro o mar como uma criança
Engulo o medo
Sou todo coragem

Eu revolto
Sou mais violento que a ressaca
Sou amargo, salgado
Com o desejo patente de revoltar

Mar revolto
Encaro de frente
Pois a revolta é meu caminho só de ida
Não tenho tempo para voltar